Ir para o conteúdo
Seguro Moto seguro porque fazer

7 fatos sobre seguro para moto

Leitura: 4 min
70 visualizações

Para muita gente, ter uma motocicleta significa liberdade e independência. Para outras, praticidade e um meio de transporte – e trabalho – mais em conta. Para todos, no entanto, o seguro para moto é essencial. Mas nem todo mundo sabe bem como ele funciona.

Em São Paulo, quatro motos são roubadas por hora, de acordo com Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap). Já os dados do Grupo Tracker mostram que só no primeiro semestre de 2019 o índice de roubos e furtos de motos acima de 200 cilindradas aumentou 24,21%. Os roubos respondem por 82,3% desse total.

Proteger o patrimônio com um bom seguro para moto, portanto, é indispensável. Mas é sempre bom conhecer bem o que você está contratando. Veja 7 fatos que você deve saber sobre esse tipo de seguro.

1 – Cobertura padrão do seguro para moto

De uma forma geral, o seguro para moto costuma cobrir furto, roubo e colisão. Nesse segmento, esse tipo de cobertura já é considerado padrão pelo mercado.

2 – Coberturas adicionais

Por outro lado, você também pode contratar coberturas adicionais. O seguro para moto pode incluir incêndio e danos a terceiros, por exemplo. E há seguradoras que oferecem vantagens como desconto em oficinas, instalação de rastreadores, assistência 24 horas etc.

3 – Valor médio do prêmio da apólice

Na cobertura padrão (roubo, furto e colisão) o valor médio do prêmio, que é a prestação do seguro para moto, costuma ficar entre 30% e 40% do valor do veículo.

Já no seguro apenas para roubo e furto, esse percentual cai um bastante, ficando entre 20% e 30%.

Imagem de homem andando de moto

4 – Cilindradas entram no cálculo do valor do seguro

Assim como no seguro auto, cujo valor muda de acordo com o tipo de carro e a marca, as cilindradas também impactam o cálculo do preço do seguro para moto.

Quanto maior a cilindrada, mais alto é o valor, que também aumenta para os modelos esportivos. Algumas seguradoras, inclusive, se negam a fazer seguro para moto com menos de 300 cilindradas.

5 – Motos mais usadas para lazer tem valor mais baixo

No entanto, há um dado curioso em relação ao seguro para moto. Alguns modelos considerados caros, como a Harley Davidson, por exemplo, têm preço do seguro convidativo.

Isso porque, apesar do valor do bem ser alto, são considerados como itens de lazer. Dessa forma, supõe-se que há menos uso diário do que uma moto utilizada para trabalho, por exemplo, e, portanto, os riscos também são menores.

6 – Perfil do condutor também é avaliado

Mas é bom lembrar que a composição do valor do seguro para moto leva em consideração vários fatores. Um deles é o perfil do condutor, da mesma forma que em um seguro auto.

Pouco tempo de carteira e idade menor de 24 anos costumam gerar apólices mais caras. O histórico também é avaliado. O preço é maior para quem já teve envolvimento em acidentes ou tem multas.

Outro fator é o CEP. Assim, quem mora e/ou trabalha em localidades estatisticamente mais seguras conseguem preços melhores.

Imagem de estrada e homem pilotando moto

7 – Quem deve fazer seguro para moto

De uma forma geral, motocicletas são muito visadas para roubo e furto, independentemente da cilindrada. Por isso, o seguro para moto é indicado para qualquer pessoa que queira proteger seu bem.

No entanto, quem vive nos grandes centros, usa a moto diariamente e/ou vive ou trabalha em locais com alto índice de criminalidade tem riscos e desgastes maiores.

(Fontes: Ig, Estadão)

Por isso, se você não tem ainda um seguro para moto, não arrisque perder seu bem. Faça agora mesmo uma cotação sem compromisso e proteja seu patrimônio!

Recomendado para você:

Postagens mais vistas:

Faça um orçamento: