Primeira vez contratando um seguro de carro? Saiba como funciona!

abr 06, 2017 (0) comentário ,

Que o brasileiro é um povo apaixonado por carros isso não é segredo algum. É grande o número de homens e mulheres que sentem imenso carinho, amor e cuidam de seus veículos como se fossem seus filhos. Geralmente, quem possui um veículo cuida com muito zelo, já que não possui é louco para ter um.

Quando falamos em carro, logo nos vem à mente um assunto um tanto quanto comum: o seguro auto. Com altas taxas de roubos e furtos no país aliado a um trânsito violento onde terceiros geralmente não se respeitam andar com um veículo desprotegido beira a insanidade.

Embora muito se fale em seguro auto, são poucas as pessoas que realmente sabem como essa proteção, altamente necessária, funciona. O seguro de carro nada mais é do que um contrato, onde o cliente paga para que a seguradora, em caso de incidentes, acidentes ou qualquer outro tipo de problema envolvendo o bem segurado – no caso o carro, arque com os possíveis prejuízos que possam aparecer.

Embora pareça simples, existem alguns pontos que podem ser um tanto quanto confusos, quando o assunto é seguro auto. Por isso nós resolvemos escrever esse artigo explicando tudo sobre essa modalidade de proteção tão necessária que mexe com a cabeça de motoristas. Ficou curioso, ou então possui dúvidas sobre o assunto? Então fique por dentro desse assunto com o artigo o a seguir.

O que é cada coisa dentro do seguro?

Repleto de termos totalmente técnicos e voltados ao universo de seguros e seguradoras, muitos motoristas ficam confusos. Porém, isso é algo totalmente normal. Mostraremos para vocês o que significa cada um desses termos e como proceder quando for necessária a utilização do seguro auto.

Perfil

Para a seguradora automotiva, o perfil é o tipo de utilização que o cliente dá ao veículo. O perfil é altamente influenciado por uma série de fatores do condutor, tais como: Sexo, idade, tempo de habilitação, quilometragem rodada por mês, número de pessoas que utilizam o veículo, região onde o condutor mora, local onde o veículo dorme e muitas outras informações.

Cerca de dez anos atrás, o questionário de perfil do condutor assustava os futuros segurados, porém, de uns anos para cá, o sistema foi totalmente aperfeiçoado. Esse aperfeiçoamento faz com que a seguradora saiba tudo sobre o condutor e que o segurado gaste apenas o que for realmente necessário para contratar o seguro auto.

Veículo

O veículo é nada mais do que o bem segurado propriamente dito. O que conta, nos casos de utilização do seguro auto é a incidência de roubos e furtos do modelo e o tipo de proposta do automóvel. Modelos esportivos, ou então que tenham altos índices de roubos, ou furtos, normalmente são os que pagam mais.

Antigamente era comum ouvirmos que o carro Y ou carro X eram mais roubados. Hoje todos os automóveis possuem seus índices de roubos. A proporção de vendas por roubo é o que explica o fato de carros possuírem maiores valores de seguro auto. Um exemplo claro de veículo com seguro relativamente alto é o Volkswagen GOLF. Um dos veículos mais vendidos e consequentemente mais roubados do país.

Os modelos esportivos e/ou então aventureiros diferente do que muitas pessoas acreditam não pagam mais por sua proposta de exposição ao risco e sim por possuir mais acessórios instalados. De acordo com corretores de seguro auto se o ladrão vê um carro convencional e comum e se depara com o mesmo modelo com rodas de liga leve, faróis de neblina e outros acessórios extras, a tendência é ele roubar o mais equipado que automaticamente chama mais atenção.

Local de circulação

O local onde o carro irá circular também tem grande influência sobre o valor do seguro auto, não pelo histórico de violência e roubo, e sim pelo comportamento dos motoristas da região. Assim como o fato de o carro não possuir um lugar para dormir. Se o carro não possui uma garagem em casa, no trabalho e/ou então na faculdade o valor pago pelo segurado automaticamente será mais caro.

Termos específicos utilizados pelas seguradoras

Como citamos no início do artigo há uma série de termos que muitas pessoas desconhecem o significado quando o assunto é contratação de seguro auto. Separamos os mais comuns deles e mostraremos o que cada um significa.

Roubo

É a situação em que o segurado tem o seu bem subtraído, no caso quando ele estava à vista do segurado.

Furto

É o mesmo que roubo, porém o proprietário não está presente no momento em que o fato realmente aconteceu.

Sinistro

É o termo utilizado quando a seguradora é acionada, seja em caso de acidentes, roubos ou então furtos.

Perda total

É a situação onde a seguradora avalia que o custo de reparo no caso de um acidente, incêndio ou alagamento ultrapassa 75% do valor pelo qual o carro foi segurado. Também é considerada perda total quando um veículo que foi furtado ou roubado é encontrado, mas sofreu grandes danos pelos ladrões.

Perda Parcial

Quando o custo do conserto não ultrapassa os 75% do valor do carro.

Franquia

A franquia é a participação do segurado no momento do sinistro. Por exemplo: Sua apólice possui franquia de R$ 1.500,00 e o conserto vai custar R$ 5.000,00, sendo assim, você paga a franquia e a seguradora arca com os R$ 3.500,00 restantes. A franquia só é utilizada em casos de perda parcial.

Danos a terceiros

É uma cobertura cobrada a parte na apólice de seguros, que garante o pagamento de consertos a terceiros que foram vítimas de acidentes causados pelo segurado. Seja uma batida, ou um atropelamento, por exemplo.

Tipos de seguro

Existem basicamente dois tipos de seguro auto mais comuns (e contratados). O primeiro é o seguro contra incêndio e roubo, como o nome já diz, cobre apenas roubos, furtos e situações onde o veículo pega fogo. O outro é o chamado de cobertura compreensiva, que inclui os itens do seguro contra incêndio e roubo e adiciona a cobertura em caso de acidentes. É necessário prestar atenção nesse tipo de cobertura: Caso um acidente envolva outros carros, a cobertura contra terceiros será cobrada à parte.

Como proceder em caso de sinistro

Em caso de roubo ou furto, corretores de seguro auto dão a seguinte recomendação: A primeira coisa a ser feita é acionar a seguradora ou o corretor de seguros, pois eles podem comunicar a polícia. Se for comprovado que o cliente não fraudou o roubo, ele recebe o dinheiro referente ao valor pelo qual o carro foi segurado. Algo muito mais cômodo do que simplesmente torcer para que o veículo seja encontrado.

O período entre a comunicação do roubo e o ressarcimento do valor pode levar apenas três dias úteis, desde que o cliente envie toda a documentação necessária solicitada pela seguradora. Esses documentos variam entre as seguradoras atuantes no país.

No caso de acidentes que não envolvam terceiros, acionar a seguradora é apenas a única necessidade, porém corretores recomendam que o segurado faça um boletim de ocorrência para maior segurança própria, embora o documento não seja obrigatório. Se o acidente envolver mais pessoas, o boletim de ocorrência é necessário, pois nele é descrito o que aconteceu, além de contar os nomes e dados de todos os envolvidos.

Em hipótese algum minta

Fraude contra o seguro auto é a melhor maneira de se perder o dinheiro da apólice. Se o segurado falar uma inverdade, muda o local do sinistro ou mente sobre algum aspecto, a seguradora não cobre os prejuízos. Corretores afirmam que fraudes são um tanto quanto comuns. Embora alguns casos são difíceis de comprovar, seguradoras trabalham com uma estatística de que até 25% dos sinistros são fraudados.

O seguro auto existe basicamente para cobrir acidentes e imprevistos, não atos planejados ou deliberados. Atos de hostilidade também não são cobertos pela seguradora. Se o segurado ficou preso no trânsito e houve uma enchente, ele pode ser ressarcido. Porém, se ele tentou passar uma área alagada sem condições de trânsito, não há cobertura.

Alguns serviços podem ser agregados

No momento de contratar uma apólice procure por seguradoras que ofereçam vantagens que vão além do próprio seguro auto. Pode custar um pouco mais caro, mas ter serviços como guincho, táxi, carro reserva e até mesmo auxilio de manutenção na casa do segurado pode ser uma verdadeira mão na roda.

Outras coberturas adicionais incluem seguro para vidros, e acessórios do veículo, como rádio, alarmes, rastreadores e rodas, por exemplo. Itens que normalmente são alvos de ladrões e que normalmente não são cobertos pela apólice convencional.

É possível baratear o valor do seguro auto

Embora pouca gente saiba, é possível baratear o valor do seguro auto com alguns procedimentos fáceis e simples de serem adotados. São eles:

Possuir sistemas de segurança no veículo

Possuir alarmes, sistemas de rastreamento e até mesmo travas de volantes ou pedais diminuem as chances do veículo ser roubado ou então ser mais facilmente encontrado após roubos e furtos, algo que automaticamente diminui o preço do seguro auto.

Possuir uma garagem e portão automático

Se sua casa não possui portão automático, o simples fato de você precisar sair do carro para abrir o portão aumenta o risco de ser furtado. Além disso ter um local para guardar o veículo durante a noite (ou dia) também barateia o valor do seguro. Carro guardado significa seguro auto barato.

Não conte com a sorte

Contar com a sorte para proteger o seu veículo é algo um tanto quanto irresponsável nos dias de hoje. Agora que você já sabe como funciona a contratação de um seguro auto que tal oferecer proteção ao seu veículo?

É um tanto quanto difícil comprar um carro nos dias de hoje. Portanto não dê chances para o azar. Faça uma cotação online rápida, direta e precisa, encontre um seguro que caiba no seu bolso e ainda ganhe um desconto na sua contratação. Quem ama não conta apenas com a sorte. Seguro auto, proteção 24 horas por dia, 365 dias por ano.

Comentário (0)

Deixar comentários